Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Gato Pardo

Para quem conhece, vocês estão mais que vacinados. Vocês não conhecem isto? São maiores de idade? Trazem o vosso cartão de cidadão, boletim de vacinas e resgisto criminal? Não? Fantástico!!!

Gato Pardo

Para quem conhece, vocês estão mais que vacinados. Vocês não conhecem isto? São maiores de idade? Trazem o vosso cartão de cidadão, boletim de vacinas e resgisto criminal? Não? Fantástico!!!

Um texto sério. Deve estar para cair um meteoro...

20.09.12publicado por Gato Pardo

Hoje em dois momentos distintos, recordei-me de duas frases distintas...

 

“Os homens dormem com Gilda e acordam com Rita..."

Uma frase celebrizada por Rita Hayworth, protagonista do fabuloso filme "Gilda" de 1946.

 

"Greta é como a Mona Lisa - uma das grandes coisas da vida. E tão distante quanto".

Uma frase anónima que perdura no tempo acerca de Greta Garbo.

 

 

A recordação de ambas as frases foi despoletada por algo que é recorrente.

Tenho de admitir que nos tempos que correm, quanto menos partilhamos de nós, mais curiosidade isso suscita. Pior ainda se por acaso sabemos escrever e temos algum sentido de humor. Ah e claro, se formos uma gaja podre de boa isso também é capaz de ajudar.

Não é o caso. Não está nos meus planos a médio prazo fazer uma mudança de sexo.

As pessoas tendem a criar uma imagem no seu subconsciente do que desconhecem. É a forma inteligente que a mente encontra de colmatar as peças do puzzle que não estão lá. Mas é um tremendo erro tentar preencher espaços em branco quando não há sequer uma peça por onde começar. Pior ainda quando não há peças por desejo expresso do dono do puzzle. Aí torna-se simplesmente desrespeitoso.

Vejamos por exemplo as duas frases que vos apresento.

Primeiro, deixem-me desde já negar veementemente que alguma vez tenha dormido com uma Gilda e por acaso, nunca ter acordado com uma Rita. A não ser que um gajo esteja com uma piela de caixão à cova e tenha engatado a equipa de voleibol feminino da Suécia, a probabilidade de isso acontecer é diminuta. É o meu caso. Mas em abono da verdade, se tirarmos a frase do seu contexto original podemos encontrar pontos de contacto com a personagem Gato Pardo. Já ouvi as coisas mais estranhas ao longo dos anos. Que o Gato é uma mulher, que o Gato é gay, até que o Gato é o Joaquim Monchique quando não toma a medicação. O Gato é simplesmente o Gato. Uma personagem com cerca de 70% de inspiração, 20% de transpiração (que os dias têm estado quentinhos...) e 10% de irritação (porque tenho verdadeiramente mau feitio).

A segunda frase é a prova cabal que não tenho quaisquer problemas com o meu ego. Ao contrário da Greta Garbo, não tenho qualquer ponto de comparação com a Mona Lisa. Mesmo com aquele ar de quem comeu um kebab estragado, a Mona Lisa continua a ser bem mais bonita que eu. E a Greta Garbo então nem se fala. Mas sou muito bom naquilo que faço e tão distante de tudo o restante.

Quando quero, escrevo verdadeiras obras de arte de fazer chorar as pedras da calçada.

Quando quero, escrevo humor de meter cadáveres a sofrer de incontinência urinária.

Quando quero...sou extraordinariamente bom!

Neste blog, tenho o prazer de ser acompanhado por pessoas há vários anos. Curiosamente pensei que se calhar nunca lhes dei o devido valor porque nunca lhes dediquei uma verdadeira palavra de apreço pública. Fica aqui agora. Porque vocês sabem quem são (pelo menos espero que saibam). As pessoas que sempre respeitaram a minha forma de estar, o facto de escreverem para uma imagem de um Gato que com tantos anos, é provável que já tenha um valente torcicolo, que sabem que por trás de todas estas palavras está também uma pessoa mas que se contentam com o (pouco) que sabem dela.

A minha vénia a vocês.

O respeito com que sempre me trataram é mútuo.

É a palavra chave de hoje. Respeito.